Robert Rios critica discurso do líder do governo sobre empréstimo

0
21

“Hoje, nós vimos e assistimos aqui nesta Casa, um teatro, uma farsa montada, para justificar que o governo deve novamente, pelo bem do Piauí, receber duas parcelas de empréstimo. E a ladainha é uma só. E o que é mais interessante que o assunto empréstimo, quem pauta é o governo”, acusou o deputado Robert Rios (DEM), na sessão plenária desta terça-feira (8), para contradizer o líder do Governo, deputado Francisco Limma (PT), que o antecedeu na tribuna.

Rios afirmou que o governo prega, todo dia, a mesma mentira sobre os mesmos absurdos, com o objetivo de convencer os incautos, de que está dizendo a verdade, sobre o destino dos empréstimos feitos junto à Caixa Econômica Federal para obras no Estado.

O parlamentar lembrou que do empréstimo de um bilhão de reais, contratado pelo ex-governador Wilson Martins ao Banco Mundial e recebido pelo governador Wellington Dias, em meio à crise, e que não gerou nenhum emprego no Piauí, nenhuma obra importante com o bilhão do Banco Mundial.

“Precisaríamos comprar litros e litros de óleo de peroba para passar na face de tanta cara de pau que vejo no parlamento. O que vejo de verdade é que o povo do Piauí, com seu voto, com sua democracia, colocou nesta Casa, vinte e um deputados, para fazer oposição e para fiscalizar governo. E esses empréstimos, cooptaram deputados, alguns que se venderam por uma coordenadoria, um punhado de DAS, outros que não vêm nem aqui, na Casa, porque passam o dia abrindo e fechando a porta do Palácio de Karnak para o governador Wellington Dias”, criticou o orador.

Robert Riosx lamentou que deputados da base governistas estejam dizendo que a oposição querer barrar os empréstimos. E que ele, sim, quer os empréstimos para o Estado sendo aplicados em obras. O que ele não quer é “ladrão, canalhas, utilizando o dinheiro público”. O deputado diz ter ouvido muitas conversas de que se o dinheiro do empréstimo não sair “eles” perdem a eleição ou não mandam dinheiro para o prefeito ou para o vereador ou para lideranças. 

“Tem deputado que não dorme, só pensando em empréstimo. Estamos diante de uma infâmia, que um governante pratica contra um povo. Somos um estado pobre e que precisa melhorar toda sua estrutura. A educação, saúde e segurança estão falidos. O governo recebeu o dinheiro do empréstimo de trezentos milhões. Alguém viu alguma obra, melhorou algum hospital, alguma escola, estrada?. E que fez o governador com os trezentos e sete milhões?”, indagou.

Robert Rios disse ainda que a decisão do conselheiro Kennedy Barros não tem nada a ver com o discurso “oco” que ele ouviu na tribuna, referindo-se à fala do líder governista, mas sim que pediram uma liminar e o conselheiro não concedeu porque quer mais elementos para fundamentar sua decisão. E que mandou auditar e periciar as obras.

“Eu juro aos deputados do governo, que venho nessa tribuna e fico de joelhos e peço perdão ao governo e o empréstimo de volta. Agora, vamos de mãos dadas ver as obras com o dinheiro do empréstimo. Um governo que colocar o dinheiro do empréstimo, colocar na conta única do estado e esse dinheiro desaparece, e o governo presta contas com obras feitas, contratadas e pagas antes do empréstimo, são capazes de prestar contas até com obras feitas pelo conselheiro Saraiva”, ironizou o deputado.

Rios disse também que o Piauí é um estado inerte, em coma e evoluindo para a morte e que há um ano só se fala em empréstimo e que os prefeitos do interior estão com pacotes de notas de serviços aguardando o dinheiro do empréstimo. “Mas eu queria dizer ao povo do Piauí que os deputados do governo não vão enganar o povo com esse discurso, essa conversa besta de que o dinheiro do empréstimo vai gerar emprego”.

Apartes

O deputado Gustavo Neiva (PSB) usou a palavra para reiterar sobre o procedimento do conselheiro Kennedy Barros, que em nenhum momento determinou a Caixa Econômica Federal a liberação de recursos.

“A Caixa diz textualmente, que considera que o governo não prestou contas. Porque o governo está prestando contas com despesas realizadas anteriormente e isso os técnicos do Tribunal de Contas do Estado nos disseram, que isso não existe em manual de contabilidade. É uma ficção contábil criada pelo governo. O governo vai ter que devolver o dinheiro aos cofres da Caixa Econômica Federal, porque utilizou de forma incorreta, esses recursos”, ressaltou o parlamentar

.O deputado Dr. Pessoa (SD) se disse indignado com as falas dos deputados do governo em acusar a oposição de não quer empréstimo para o Piauí. “Essa atitude do deputado Limma em dizer que tem deputado torcendo para o pior é uma inverdade. Vossa Excelência não quer que a gente fiscalize? Se for assim, não precisamos do Poder Legislativo. O governo tem é que prestar contas, doa a quem doer”, exigiu Dr. Pessoa, acrescentando que o que está acontecendo é uma falta de vergonha e um desrespeito com a coisa pública.

Já o deputado Rubem Martins (PSB) ratificou as palavras do conselheiro Kennedy Barros que disse o grupo de competentes auditores do TCE do Piauí, em relatório,  que foi absorvido em sua totalidade pelo Tribunal de Contas da União.

“Mas o sistema de protelação que está tendo agora nessa questão de pareceres e nas decisões do Tribunal  e nas decisões do Tribunal de Contas da União que já vai colocar a toque de caixa, em votação, o recurso do governador Wellington Dias, que será julgado amanhã. E dizer para que o governador pagará muito caro, pelos desvios de recursos”. 

Concluindo o pronunciamento, Robert Rios observou também que se o Piauí pensa que já viu tudo, pode esperar pelo depoimento do Eduardo Cunha, que diz que deu dinheiro para candidato a deputado no Piauí. E encerrou dizendo que as pessoas não se admirem se amanhã tudo o que foi escrito pelo Tribunal de Contas da União for apagado.


Texto: Lindalva Miranda
Edição: Paulo PincelAlepi

Deixe uma resposta