Congresso Nacional celebra literatura piauiense

0
29

O Congresso Nacional realizou nesta segunda-feira (21), no plenário do Senado, uma sessão em homenagem aos 100 anos de existência da Academia Piauiense de Letras (APL).

Requerente da sessão, o senador Elmano Ferrer (Pode-PI) destacou que a cultura é o maior patrimônio de uma sociedade, e que a APL tem o reconhecimento da população do Estado pelo papel que cumpre na preservação e divulgação de sua literatura e pela atuação marcante que possui no ambiente cultural piauiense.

— A história da APL imbrica-se com a história de nossa cultura durante estes 100 anos. A Academia cumpre com louvor esta missão de honrar o passado, construir o presente e semear o futuro desta cultura — pontuou Ferrer, acrescentando que passaram pela APL nomes que marcaram as letras também a nível nacional, como o economista João Paulo dos Reis Velloso e o jornalista Carlos Castello Branco, entre outros.

Livros e cordel

Durante a homenagem, a senadora Regina Sousa (PT-PI) comunicou aos acadêmicos presentes que apresentou dois projetos buscando valorizar os livros e a literatura de cordel. O primeiro determina a instalação de um pequeno acervo de livros paradidáticos e de literatura infantil em todas as salas de aula do 1º ao 5º ano do ensino fundamental (PLS 158/2016). O objetivo é incentivar o gosto pela leitura nas crianças e desburocratizar as bibliotecas.

A segunda proposta, para a qual Regina também pediu apoio, é o PLS 138/2018, que inclui o estudo da literatura de cordel, do repente e de outros cantos de improviso no currículo da educação básica.

Vanguarda e periferia

O atual presidente da APL, Nelson Nery, ressaltou o papel de vanguarda cumprido pela instituição já em 1918, que nesta época realizou eventos sobre o anticlericalismo, a Revolução Russa e o marxismo, além da emancipação dos direitos das mulheres.

— Amélia Bevilácqua foi uma das primeiras acadêmicas da APL, numa época em que a Academia Brasileira de Letras não admitia sequer que as mulheres concorressem a alguma vaga existente.

Nery ainda mencionou a atuação do Museu da Cultura Literária Piauiense, gerido pela APL, que tem realizado eventos voltados para os jovens, para moradores de periferia e também para quem vive em cidades do interior. Ele lembrou que o auditório da APL em Teresina continua sendo o principal centro de lançamento de novas obras produzidas pelos escritores do estado.

O deputado Paes Landim (PTB-PI), outro requerente da sessão, citou que também fizeram parte da APL em sua história o jornalista Odylo Costa Filho e o ex-presidente do Senado, Petronio Portela. Também esteve presente o ex-senador Hugo Napoleão, que é membro da academia.

Fonte: www12.senado.leg.br

Deixe uma resposta