Piauí tem meta de ser estado livre da febre aftosa sem vacinação até 2020

0
18

O governador Wellington Dias reuniu-se, nesta terça-feira (22), no Palácio de Karnak, com o superintendente federal da Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Piauí, Marco Aurélio Paes Landim; o presidente da Adapi, Bernildo Val; e o auditor fiscal do Ministério da Agricultura Airton Leôncio. Em pauta, a erradicação da febre aftosa e a retirada da obrigação da vacinação contra a doença que ataca rebanhos bovinos e outros animais de casco bipartido.

O Piauí já é considerado estado livre da febre aftosa com vacinação e agora a meta é se tornar, até 2020, uma área livre da doença sem vacinação. “Isso se dará por meio de uma estrutura de monitoramento, controle, acompanhamento e integração entre o governo federal, o Estado e os criadores de gado. É importante garantir que, a cada ano, o produtor não tenha a necessidade da vacinação. Vai ser uma grande vitória para eles, que cortarão gastos e terão seus animais 100% saudáveis”, destacou Wellington.

Durante a reunião, foi apresentado ao governador as ações estratégicas do Plano Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa. “Teremos o apoio do Governo do Estado para executar as 102 ações e 16 operações que constam no plano. A estratégia principal é a implantação progressiva e manutenção de zonas livres da doença, de acordo com as diretrizes estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), para que possamos alcançar o status de país livre da febre aftosa sem vacinação”, pontuou o auditor fiscal do Ministério da Agricultura Airton Leôncio.

Brasil recebe certificado de país livre da febre aftosa

O Brasil recebe, na quinta-feira (24), em Paris, o certificado de país livre da febre aftosa, concedido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

O certificado atestará que a febre aftosa está controlada em todo o território brasileiro, por meio da aplicação de vacinas. A exceção é Santa Catarina, que dispensa a vacinação desde 2007.

Fonte: Ccom/ Lorenna Costa

Deixe uma resposta