Um desastre chamado Wellington Dias

2
8336

A Construtora Sucesso, que fazia a duplicação da BR-316 na saída Sul de Teresina, rompeu o contrato com o Estado, por falta de pagamento, e retirou suas máquinas e equipamentos do trecho; a Construtora Getel, vencedora da licitação para duplicação da BR-343, na saída Norte de Teresina, também rompeu o contrato pelos mesmos motivos, sendo substituída pela Construtora Copa que, sem ver a cor do dinheiro pelos serviços realizados, comunicou ao DER e ao DNIT que não vai mais tocar a obra e, para completar, a Só Ferro, que executava as obras de conclusão do Centro de Convenções, também caiu fora por falta de pagamento.

As obras de duplicação das duas BRs, delegadas ao Estado, foram iniciadas ainda em 2012, num total de 17 quilômetros, e a malfadada reforma do Centro de Convenções foi iniciada no final da primeira administração petista, em 2007, marcada por irregularidades, assim como as obras do Porto de Luiz Correia, o que escancara a falta de planejamento e seriedade das gestões do senhor Wellington Dias.

Como perguntar não ofende, há que se indagar o que foi feito dos empréstimos, internos e externos, contraídos para investimento em saneamento básico e recuperação da malha rodoviária do Estado?

Um governante, por mais ordinário que seja, deixa uma marca positiva de sua passagem pelo Poder, algo que destoe do conjunto de sua obra e permaneça viva na memória de todos, pela importância que teve para a coletividade.

Qual foi a grande obra do governo petista? Absolutamente, nenhuma. O senhor Wellington Dias passou 12 anos fazendo politicagem no cargo de governador, costurando acordos espúrios e torrando o dinheiro público com o fito de se perpetuar no poder e conseguiu um 4ª mandato, mercê do coronelismo que ainda impera nos grotões do interior.

Sua Excelência se queixa da falta de recursos para conceder aumento ao funcionalismo público e inventa uma reforma administrativa de araque para enganar os tolos, dispensa humildes prestadores de serviços que ganham salário mínimo, mas preserva as sinecuras de
de apadrinhados de políticos que o apoiaram. Não toca nos privilegiados e mantém praticamente a mesma estrutura administrativa, pois extingue um órgão e repassa para outro as suas atribuições e todo o efetivo. O aluguel de carros de luxo, aeronaves e outras mordomias não acabam. Enfim, a sua reforma é um engodo.

Em razão da falta de planejamento, definição de prioridades e austeridade nos gastos públicas, as finanças estaduais estão pior do que se imagina. A Previdência estadual apresenta um déficit elevadíssimo que pode chegar à casa de R$ 1 bilhão, como admite o próprio governador, mas em vez de conjugar esforços com o Governo Federal no sentido de que seja aprovada a Reforma da Previdência, Wellington Dias brinca de fazer oposição ao presidente Jair Bolsonaro através do decantado e fantasioso Consórcio dos Governadores do Nordeste, uma inconsequência que pode quebrar definitivamente o Piauí, que depende em quase tudo de repasses da União.

Apesar da propaganda oficial em contrário, nada funciona bem no governo petista. Educação, saúde, segurança pública, estradas, tudo relegado ao mais completo abandono e com contratos investigados por suspeita de corrupção, como é o caso da merenda e do transporte escolar, sem falar do Centro de Convenções e do Porto de Luiz Correia.

Como não tem obras para mostrar, Wellington Dias vive exibindo na mídia, como se fosse uma ação de seu governo, os investimentos da iniciativa privada em projetos de energia eólica e solar, além de experiências educacionais exitosas como a de Cocal dos Alves que nada tem a ver com o fracassado modelo de Educação implantado no Estado.

Petrônio Portella, Dirceu Mendes Arcoverde, Hugo Napoleão, Alberto Silva, Freitas Neto e Mão Santa, para ficar só nesses exemplos, deixaram obras marcantes em suas gestões, alguns mais, outros menos, mas deixaram.

Já o atual governador, pelo andar da carruagem, a única marca que deixará são as obras inacabadas, a tragédia de Algodões I, o criminoso descaso com os serviços essenciais, como educação, saúde, segurança pública e a malha rodoviária do estado, onde hoje o povo cultiva banana e outras frutas.

Se não mudar de curso, corre o risco de ficar na história como o pior governador de todos os tempos.

2 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta